Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 19 de Maio de 2019, 13h33   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Do meu direito não abro mão de nada, responde Janaína a seguidor sobre VI

24 visualizações

Carlos Gustavo Dorileo

19 Mai 2019 - 08:00

 

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

‘Do meu direito não abro mão de nada’, responde Janaína a seguidor sobre VI
Questionada por um seguidor sobre uma possível redução de 50% da verba indenizatória, como está propondo o deputado estadual Ulysses Moraes (DC), a presidente interina da Assembleia Legislativa, Janaina Riva (MDB), foi taxativa em responder que não irá abrir mão de nenhum benefício e que vai continuar com o seu trabalho para fazer valer o gasto do dinheiro público.

Leia também
Janaina chama Ulysses de "personagem" e cita gasto com VI, passagem aérea e R$ 100 mil em cargos


Para a parlamentar, o deputado Ulysses pode abrir mão de toda sua verba caso seja o seu desejo, mas não pode impor que os colegas da Assembleia façam o mesmo. "A opção é do deputado. Pode abrir mão do que quiser. Do meu direito não abro mão de nada. Trabalho para fazer valer”, disse a emedebista.

A proposta de Ulysses de reduzir a verba indenizatória dos deputados que atualmente é de até R$ 65 mil, para R$ 32 mil, além da obrigação de uma prestação de contas, tem gerado grande polêmica entre os parlamentares.

O projeto de lei foi aprovado nesta semana por 3 votos a 2 na Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária da Casa (CFAEO).

Na quinta-feira (16), Ulysses e Janaina trocaram farpas pela imprensa por causa do projeto, com a emedebista chamando o colega de hipócrita, além de limitado, e o democrata cristão atacando a família Riva, afirmando que ‘quer distância deste sobrenome’.

A discussão sobre o tema parece que não terminou por ai. Já o projeto, segue para votação em plenário, em primeiro turno.

No caso de ser aprovado, seguirá para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), onde será apreciado e votado, para voltar em seguida ao plenário, onde passará por nova votação pelos parlamentares da Casa.