Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 22 de Outubro de 2017, 14h07   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Advogado é detido após mentir a respeito de furto de Camaro

38 visualizações

Depois de ser confrontado por policiais, ele reconheceu que havia mentido no boletim de ocorrência

Ilustração

Clique para ampliar 

Modelo de carro semelhante ao que o advogado disse ter sido levado

DA REDAÇÃO 

Um advogado de 53 anos foi detido na tarde de terça-feira (10) pela acusação de registrar um boletim de ocorrência com a falsa informação de que tivera um veículo GM Camaro furtado em Cuiabá.

 

A Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERRFVA), o advogado disse que estacionou o carro no Bairro Quilombo e, quando voltou, não o encontrou. No entanto, após diligência a equipe constatou que o crime de furto não havia ocorrido.

 

Na verdade, ele havia vendido o carro e, como não estava recebendo os valores do comprador, acabou registrando o B.O.

  

Em entrevista, ele assumiu que mentiu sobre o crime. O advogado foi interrogado e, em seguida, os policiais lavraram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), por comunicação falsa de crime ou contravenção, previsto no artigo 340 do Código Penal.

 

Com o número expressivo de crimes desta natureza, o delegado da DERRFVA, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, alerta que isso atrapalha os trabalhos, pois envolve equipes para apurar uma situação que nunca existiu, deixando de atender uma ocorrência real. 

 

“Por se tratar de delito com pena pequena (detenção, de um a seis meses, ou multa), a ação caracteriza crime mesmo o autor não sendo preso, mas vai para o Juizado e haverá uma transação penal”, alertou Vitor Hugo.

 

O delegado ainda destaca que muitos casos ocorrem por conta de negociações de compra e venda.

 

"As pessoas vendem o veículo, não conseguem receber os valores acordados e acabam utilizando a delegacia para localizar o automóvel, que na verdade não foi produto de roubo ou furto”, lamentou. Este foi o caso do advogado detido.