Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 22 de Julho de 2019, 16h00   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Aluno faz publicação sobre arma no Facebook e assusta colegas do IFMT

93 visualizações

- Isabela Mercuri

21 Abr 2019 - 11:01

 

Foto: Reprodução

Aluno faz publicação sobre arma no Facebook e assusta colegas do IFMT
Um aluno do 2º ano do Ensino Médio do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) publicou, na última quarta-feira (16), uma frase em suas redes sociais e acabou assustando os colegas da escola. Ele escreveu “Por que tirar 10 na prova, se você pode tirar um 38 da mochila”. Segundo o diretor Cristovão Albano, o aluno não apareceu na aula na quinta-feira (17).

Leia também:
Adolescente ameaça cometer atentado em escola estadual de Cuiabá; DEA cumpre mandado

Alguns colegas de turma do adolescente foram procurar a diretoria quando viram a publicação. “A publicação foi na quarta-feira, a gente tomou conhecimento no final da tarde e na quinta-feira tomamos as providências cabíveis. A escola funcionou novamente, mas não falamos com ele porque ele não estava presente”, contou ao Olhar Direto o diretor da instituição.

Ainda segundo Cristóvão, não houve nenhuma denúncia de que o aluno estivesse realmente com uma arma, mas, em decorrência de outros casos anteriores que aconteceram no Brasil – como o da escola de Suzano - algumas pessoas entraram em pânico. “Dos alunos que nos trouxeram a denuncia, ninguém disse que havia uma pessoa com arma. O que na verdade ocorre é pânico, e depois que se instala o pânico, dependendo do nível de uma arma já passa para duas, já passa para dois alunos, três alunos... em função da situação que a gente vive”, lamenta.

Cristóvão afirma que ainda não conseguiu contato com os familiares do adolescente por conta do feriado, mas que nesta segunda-feira (22) vai falar com eles, e também com o próprio aluno. A escola funcionou normalmente na quinta-feira, mas houve um grande número de faltas. “Nós creditamos não a isso [à publicação], mas ao feriado de Páscoa, porque a maioria das escolas não funcionou na quinta, os órgãos públicos também, e como muitas famílias viajam neste período, nós creditamos a isso, não à questão da ameaça propriamente”, explica.