Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 22 de Junho de 2018, 10h51   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Após atos de vandalismo na Arena Pantanal, Patins MT decide encerrar as atividades

40 visualizações

Isabela Mercuri

16 Abr 2018 - 14:03

 

Foto: Arquivo pessoal

Após atos de vandalismo na Arena Pantanal, Patins MT decide encerrar as atividades
Após uma série de ações de vandalismo, o criador do projeto ‘Patins MT’ decidiu retirar as rampas que colocou na Arena Pantanal em 2016. O espaço, que era aberto ao público, e onde ele dava aulas gratuitas, foi construído com dinheiro próprio, inicialmente para que sua filha, Ingrid Almeida, treinasse.

Leia também:
Patinadora mirim de Mato Grosso é convidada do programa ‘Legendários’ nesta sexta

Danisclei Ribeiro de Almeida, pai de Ingrid, jogava basquete e só aos 40 anos começou a patinar, para acompanhar Ingrid e sua outra filha, Ágatha Brenna de Almeida e Moura. Com dinheiro do próprio bolso, ele, que é mestre de obras, decidiu construir algumas rampas e instalar na Arena Pantanal. Para isso, conseguiu autorização da Prefeitura de Cuiabá.

“A pista sempre ficou fechada enquanto a gente não estava lá, por questão de segurança”, contou Danisclei ao Olhar Conceito. Segundo ele, há dois meses, colocaram cola nos cadeados, para que ele deixasse a pista aberta. “Troquei os cadeados, depois de dois dias colaram de novo. Aí decidi deixar a pista aberta de um mês pra cá”.

Na última sexta-feira (13), no entanto, ele fechou a pista para manutenção. O resultado veio logo depois: uma pixação em forma de protesto. Segundo Danisclei, após essa manifestação, ele decidiu encerrar as atividades do projeto. “Queremos paz”, afirmou.

O idealizador do projeto enviou uma nota à imprensa, explicando sobre o fim das atividades e pedindo desculpas às crianças e adultos que já estavam acostumados a andar de patins e participar das aulas.

Danisclei (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Leia a íntegra da nota:

Nota De Esclarecimento

Aos pais, crianças, esportistas, atletas, interessados e ao vândalo e seus amigos

As rampas que eu construi, com investimento próprio e com ajuda de alguns pais de crianças que aprendem, andam, praticam o esporte e ajudaram a manter, foi feita para que minha filha Ingrid e muitas outras crianças e adultos pudessem desfrutar. Nunca foi inserido nem um valor de dinheiro público, e, ao contrário de muitos que utilizam a Arena para ganhar dinheiro, utilizando energia e o espaço sem gastar um real, nós pedimos autorização para o secretário que coordena a arena.

Eu, Danisclei, e minha esposa, desenvolvemos um pequeno projeto, para levar o esporte para muitos, principalmente para as crianças, ensinando, ajudando, doando materiais esportivos, sem pedir nada em troca, e agradecemos aqueles que colaboraram para isso ter acontecido. Infelizmente, temos pessoas que só olham para o próprio umbigo, que podemos chamar de marginal, vândalo, bandido e outros nomes, mas vamos chamar de “Zé Ninguém”.

Ninguém conversou comigo para pedir, perguntar e entender a situação, mas vamos lá...

Primeiro: Prezamos desde o início pela segurança dos praticantes de todos os esportes que utilizavam as rampas.

Segundo: Prezamos muito mais pela segurança das crianças que estão em nosso entorno, sob nossa responsabilidade. Sempre foi nosso foco, e por isso deixávamos as rampas trancada quando não estávamos.

Terceiro: Sabemos quem é você, Zé Ninguém, e sua turma que nunca ajudou em nada.

Quarto: Vocês não sabem cuidar de nada. Todos vocês, marmanjos barbados, querem viver nas custas dos outros. Lembro a vocês que vivemos no Brasil em meio a muita corrupção, que se quisermos algo, temos que fazer e não esperar cair do céu, e além de não cuidar, destroem tudo por onde passam e ainda reclamam por está destruído,
Quinto: Se você fosse inteligente, esperto, saberia que as rampas estavam liberadas fazia algum tempo, mesmo correndo risco de alguma criança se machucar, mas para isso você não se importa. Você só quer mandar suas manobras e que o mundo exploda. Não sei se perceberam, não colocamos cadeado desta vez, e sim soldamos os ferros para poder arrumar assim que fosse possível, pois estamos em crise como muitos.

Talvez a tinta que você gastou poderia ser utilizada para manutenção, mas para que, né? Mais fácil agredir, destruir, do que perguntar e ajudar. Poderia enumerar tantos outros fatos, mas vamos deixar somente esses.

Pedimos desculpas às crianças, aos pais, amigos, admiradores e frequentadores, enfim, a todos. Estamos tirando as rampas e os bancos da Arena Pantanal, pois não queremos problemas com ninguém, e apesar de saber quem são, não vamos denunciar.

Só queremos que saibam que não estamos tirando as rampas e os bancos por egoísmo, mas sim por vandalismo ou medo de sofrer alguma ameaça. E assim que decidimos fazer algo que possa ajudar a sociedade, iremos comunicar.

Obrigado a todos que ajudaram e estiveram com nós esse período, foi lindo, mas eu e minha família queremos viver em paz. Nosso foco sempre foram as crianças. Prezamos pela segurança de todos, e principalmente das crianças. Nunca recebemos verba de nenhuma instituição pública ou privada para ter construído ou para manter. Não cobramos nenhum tipo de valor de qualquer pessoa. Pedimos e fomos autorizados a estar na Arena Pantanal.

A rampa estava aberta há algum tempo, e só foi fechada há dois dias para que assim que tivéssemos condições para arrumar. Ninguém antes de julgar e fazer esse vandalismo me perguntou ou ofereceu ajuda.

Não queremos confusão, eu e minha família queremos viver em paz. Essa postagem é para mostrar o que aconteceu e o pedido de desculpas para as crianças, os pais e todos que utilizavam a estruturas.

E peço desculpa se algum dia fiz algo de errado ou não deixei claro, ou fui ofensivo com alguém. Nossa ideia sempre foi com intuito em ajudar.

“Não há nada mais trágico neste mundo do que saber o que é certo e não fazê-lo. Que tal mudarmos o mundo começando por nós mesmos?”, Martin Luther King.

 “A violência cria mais problemas sociais do que os que resolve”, Martin Luther King.

“Não fiz o melhor, mas fiz tudo para que o melhor fosse feito. Não sou o que deveria ser, mas não sou o que era antes”, Martin Luther King.