Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 21 de Agosto de 2018, 01h46   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Maggi destaca ciclo de lutas do Brasil contra febre aftosa e conquista de novos mercados

32 visualizações

Carlos Gustavo Dorileo

20 Mai 2018 - 15:20

Compartilhar via Google+
Compartilhar via Twitter
Compartilhar via Facebook

Imprimir
Enviar para um amigo
−A+
Foto: Divulgação

Maggi destaca ciclo de lutas do Brasil contra febre aftosa e conquista de novos mercados
Após passar dez dias na Turquia e na China, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP) foi para a cidade de Paris, onde participou de uma Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) neste domingo (20). Na França, o senador licenciado também terá uma agenda com o ministro de Agricultura do país.

Leia também
Maggi propõe concessão de 15 milhões de toneladas de farelo de soja do Brasil para a China

Em seu discurso na Assembleia Geral da OIE, Maggi falou sobre a vito?ria do Brasil contra a Febre Aftosa, doenc?a que intimida a todos os pai?ses e restringe a abertura e manutenc?a?o de mercados dos produtos pecua?rios.

“Considero este, um momento de grande releva?ncia. Essa conquista, cujo certificado internacional e? conferido ao Brasil na 86a Sessa?o Geral da OIE, coroa o “Brasil Livre de Aftosa”, encerrando um ciclo de lutas e abrindo as portas para novas conquistas e desafios que vira?o e certamente venceremos”, disse o ministro.

Ainda em território Francês, Maggi terá uma reunião com o também ministro da Agricultura Stéphane Travert para tratar de mercado e falar sobre a posição dura da França contra o Brasil na União Européia.

A agenda do ministro na França termina na próxima quinta-feira (24). Veja a íntegra de seu discurso na OIE.

Veja íntegra do discurso durante o evento:

"Primeiramente, gostaria de manifestar minha honra e felicidade em participar da Assembleia Geral da OIE, como Ministro da Agricultura, Pecua?ria e Abastecimento do Brasil num momento histo?rico para nosso Pai?s: a esperada conquista do reconhecimento, pela OIE, da u?ltima regia?o do Brasil como zona livre de febre aftosa com vacinac?a?o. Agora teremos, finalmente, todo o “Brasil Livre de Aftosa”.

O novo status sanitário concedido por esta renomada Organizac?a?o, representa o reconhecimento da vito?ria de uma longa e dura trajetória de muitas dedicação de pecuaristas e do setor veterinário oficial brasileiro. motivo de muito orgulho dos brasileiros que lutaram e lutam para o bem do Brasil.

Parafraseando o pensador Jean Cocteau: “Na?o sabendo que era impossi?vel, no?s brasileiros fomos la? e fizemos”.

Quando, no ini?cio da luta contra a febre aftosa, num pai?s com o tamanho e as diversidades do Brasil, antigo importador de carne e leite ate? a de?cada de 90, em que milhares de focos da doenc?a acometiam nossos rebanhos todos os anos, decidiu-se erradicar uma doenc?a da importa?ncia e gravidade da febre aftosa, e se tornar o maior exportador de carnes do mundo, muitos na?o acreditavam e diziam que era impossi?vel, que nunca conseguiri?amos. Mas, conseguimos!

E conseguimos grac?as a muito esforc?o, trabalho, conhecimento, dedicac?a?o e luta de gerac?o?es de te?cnicos, produtores rurais e gestores, sempre pautados pelos princi?pios, diretrizes e recomendac?o?es da OIE, da qual nos orgulhamos de ser um dos membros fundadores.

Hoje, podemos anunciar que o “Brasil esta? livre de Febre Aftosa” e recebe seu u?ltimo certificado de zona livre de febre aftosa com vacinac?a?o da Organizac?a?o Mundial de Sau?de Animal, a OIE. O povo brasileiro se sente orgulhoso com essa histo?rica conquista. Sabemos dos desafios que temos pela frente de ampliar as nossas zonas livres de febre aftosa sem vacinac?a?o e ja? estamos trabalhando para isto.

O setor agropecua?rio brasileiro e? essencial para economia do Pai?s e tem garantido resultados expressivos na balanc?a comercial, na gerac?a?o de emprego e renda, e contribui?do para o controle da inflac?a?o e melhoria das condic?o?es de vida de sua população.

Em 2017, somente a pecua?ria representou um Valor Bruto da Produc?a?o (VBP) de 175,7 bilho?es de reais. No mesmo peri?odo, apenas o complexo carnes teve um crescimento nas exportac?o?es da ordem de 8,9%, atingindo um volume de 15,5 bilho?es de do?lares. E ainda temos potencial para crescermos muito mais no mercado internacional, pois exportamos somente uma pequena parte da nossa produc?a?o de bovinos e sui?nos.

Esse crescimento das exportac?o?es brasileiras se deve, ale?m da inquestiona?vel qualidade e competitividade dos nossos produtos, sobretudo a? melhoria da condic?a?o sanita?ria do rebanho nacional.

Nesse cena?rio, destaca-se a vito?ria contra a Febre Aftosa, doenc?a que intimida a todos os pai?ses e restringe a abertura e manutenc?a?o de mercados dos produtos pecua?rios. A evoluc?a?o na condic?a?o sanitária do controle e erradicação da febre aftosa e? grande responsa?vel pela valorizac?a?o dos nossos produtos pecua?rios nos mais diversos mercados.

O Brasil iniciou o combate organizado a? febre aftosa ainda na de?cada de 60, por meio de campanhas de vacinac?a?o em algumas regio?es. Naquela e?poca, a doenc?a se manifestava de forma ende?mica com milhares de focos por ano. Era um verdadeiro caos sanita?rio. Mas, na de?cada de 90, as estrate?gias de combate a? doenc?a foram alteradas, mudando-se do controle para erradicac?a?o da doenc?a em todo o Pai?s, com a reformulac?a?o do Programa Nacional de Erradicac?a?o da Febre Aftosa – PNEFA.

Foram muitos anos de aplicac?a?o de conhecimentos e descobertas, dedicac?a?o de te?cnicos qualificados, muita luta de produtores rurais e empreendedores, trabalhando-se de forma coordenada e compartilhada, o Governo Federal, governos estaduais e setor privado, todos imbui?dos do objetivo de tornar o Brasil livre da Febre Aftosa.

Esse processo envolveu ainda aplicac?a?o de muitos recursos, investimentos na capacidade dos servic?os veterina?rios oficiais, na vigila?ncia e em campanhas de vacinac?a?o.

O reconhecimento agora, pela OIE, do pleito brasileiro de ampliac?a?o da zona livre de febre aftosa com vacinac?a?o, envolvendo os estados do Amazonas, Amapa?, Roraima e parte do estado do Para?, completa um ciclo.

Considero este, um momento de grande releva?ncia. Essa conquista, cujo certificado internacional e? conferido ao Brasil na 86a Sessa?o Geral da OIE, coroa o “Brasil Livre de Aftosa”, encerrando um ciclo de lutas e abrindo as portas para novas conquistas e desafios que vira?o e certamente venceremos.

Sem du?vidas, e? o cumprimento de uma etapa importante e um marco histo?rico do processo de erradicac?a?o da doenc?a na Ame?rica do Sul, e de valorizac?a?o do patrimo?nio pecua?rio nacional e regional.

Temos muito a comemorar e homenagear todos que lutaram nessa batalha. Mas o desafio na?o termina aqui.

Ano passado o Mapa lanc?ou o Plano Estrate?gico do PNEFA para os pro?ximos 10 anos. O Plano tem como objetivo: criar e manter condic?o?es sustenta?veis para garantir o status de pai?s livre da febre aftosa e ampliar as zonas livres sem vacinac?a?o, protegendo o patrimo?nio pecua?rio nacional e gerando o ma?ximo de benefi?cios aos atores envolvidos e a? sociedade brasileira.

Nosso novo grande desafio sera? enfrentar a etapa final do processo de erradicac?a?o da doenc?a em nosso pai?s e na Ame?rica do Sul, ampliar nossas zonas livres sem vacinac?a?o, e, em especial no Brasil, alcanc?ar a condic?a?o de PAI?S LIVRE DE FEBRE AFTOSA SEM VACINAC?A?O. Assim, esperamos seguir contribuindo com a Erradicac?a?o da Febre Aftosa no mundo e oferecendo aos mercados produtos cada vez melhores e saudáveis e contribuir para a segurança alimentar mundial.

Para isso, temos plena conscie?ncia da necessidade de fortalecermos ainda mais nossas capacidades de prevenc?a?o, vigila?ncia e de resposta a possi?veis emerge?ncias que possam ocorrer. Sera?o necessa?rios muito mais investimentos no servic?o veterina?rio brasileiro. E contamos ainda mais com a imprescindi?vel parceria dos produtores rurais, profissionais e outros atores do setor privado. Tenho certeza que conseguiremos. Seguiremos pelo caminho da cie?ncia, da transpare?ncia e confianc?a nas valiosas orientac?o?es, diretrizes e normas da OIE.

Cabe destacar que ja? temos o estado de Santa Catarina, reconhecido como zona livre de febre aftosa sem vacinac?a?o desde 2007 e sem vacinar desde 2000, demonstrando que somos capazes de avanc?ar nessa mesma direc?a?o para retirada da vacinac?a?o em todo pai?s, com a devida seguranc?a.

Assim, termino convidando a todos os brasileiros a prestarem suas homenagens aos milhares de mulheres e homens, muitos ja? nem entre no?s, que, com muito trabalho, honestidade e conhecimento, tornaram realidade o que parecia impossi?vel. O Brasil esta? livre da febre aftosa.

Blairo Maggi
Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento"