Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 20 de Novembro de 2019, 14h27   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Não há paraquedismo entre Cuiabá e VG, diz Emanuel sobre lançar filho a prefeito

124 visualizações

Jacques Gosch

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) afirma que seu filho, o deputado federal Emanuelzinho (PTB),  não é pré-candidato a prefeito de Várzea Grande. Esclarece que o petebista  apenas foi sondado por  entusiastas da possível candidatura.  Mesmo assim, rejeita a pecha de “paraquedista” que adversários tentar impingir no parlamentar.

Rodinei Crescêncio 

Prefeito Emanuel Pinheiro ao lado do filho, deputado Emanuelzinho, cotado para disputar a prefeitura de VG

“Emanuelzinho não é candidato a prefeito de Várzea Grande, foi apenas sondado. Ele quer contribuir com nosso grupo político. Ele é deputado federal e tem 24 anos apenas. Tem muito tempo pela frente. Não tem paraquedismo entre Cuiabá entre VG. É uma cidade só. O que existe  apenas a burocracia de domicilio eleitoral no TRE. Candidatura está na mão de Deus”, declarou Emanuel.

Quem revelou que Emanuelzinho avaliava transferir o titulo para Várzea Grande com o intuito de disputar a prefeitura em 2020 foi o próprio Emanuel. Em reação, alguns vereadores do município o acusaram de “paraquedista”.

O empresário Toninho Domingos, irmão do ex-prefeito de Várzea Grande Murilo Domingos, falecido neste ano, classificou a pretensão de Emanuelzinho como “aventura”. Inclusive, cogitou enfrentá-lo nas urnas caso a candidatura se concretize.

Para sustentar que “não existe paraquedismo”, Emanuel usou o exemplo do ex-governador Júlio Campos (DEM) que já foi prefeito do município vizinho, senador, deputado federal e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Segundo ele,  Júlio reside em Cuiabá há muitos anos e “atravessa a ponte”  para fazer política quase diariamente.

  “O nome dele [Emanuelzinho] foi cogitado exatamente pelo perfil agregador, pela vontade da base que o apoiou em Várzea Grande,  onde teve quase 12 mil votos para deputado federal e precisa de novas lideranças para fazer políticas ao lado de da prefeita Lucimar e do senador Jayme Campos. Ele nem transferiu o título de eleitor ainda”, concluiu.