Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 21 de Agosto de 2018, 01h46   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

Pivetta se reúne com Wellington e pede que senador fique no cargo para ajudá-lo

39 visualizações

Pedetista considera fundamental permanência de senador em Brasília para ajudar o tirar o Estado da crise Jacques Gosch

Reprodução

capa Pivetta Wellingnton
Encontro reúne Wellington, Ezequiel, Zeca, Pivetta, Euzébio e Palmiro para debater eleição

Os principais pré-candidatos a Governo do Estado pela oposição, senador Wellington Fagundes (PR) e ex-prefeito de Lucas do Rio Verde Otaviano Pivetta (PDT), se reuniram para buscar o entendimento sobre a possibilidade de viabilizar candidatura única para enfrentar o governador Pedro Taques (PSDB) nas urnas. Embora nenhum tenha sinalizado a disposição de abrir mão de participar da disputa eleitoral, saíram do encontro com o compromisso de prosseguir dialogando.

A reunião regada a bacalhau e cerveja gelada aconteceu num restaurante da Capital, na noite dessa sexta (18). A conversa entre Wellington e Pivetta foi articulada pelo presidente do PDT de Mato Grosso, deputado estadual Zeca Viana.

O PP, que já decidiu permanecer na oposição, vetou aliança com Taques e está próximo de Wellington, também esteve presente na reunião dos pré-candidatos a govenador. Foi representado pelo deputado federal Ezequiel Fonseca, que preside a sigla no Estado, além de lideranças como Euzébio Diniz e Palmiro Pimenta.

Ao , Pivetta afirmou que a Wellington é o único congressista de Mato Grosso com mandato assegurado pelos próximos quatro anos. Por isso, considera fundamental sua permanência em Brasília para ajudar o tirar o Estado da crise.

“O próximo governador vai precisar de uma bancada federal inteligente e bem orientada para tirar o Estado da sinuca em que se encontra e que Pedro Taques não teve competência para gerir. O senador Wellington seria fundamental para auxiliar em tarefas como renegociar a dívida e recuperar créditos para investimentos”, disse Pivetta.

“Foi uma conversa franca com Wellington, que é atencioso e cordial. Pedi o apoio dele nas eleições”
O pedetista também ressaltou que, embora não tenha pretensão de recuar da pré-candidatura, tem muito respeito pelo posicionamento de Wellington. Por isso, aproveitou o encontro para expor seu ponto de vista sobre as eleições.

“Coloquei claramente minha intenção de disputar e algumas idéias sobre como pretendo governar se eleito. Foi uma conversa franca com Wellington, que é atencioso e cordial. Pedi o apoio dele nas eleições”, completou.

Wellington conta com apoio do PR, MDB, PP, PTB e PSD. Nos próximos dias, pretende consolidar aliança com PV, PCdoB e atrair o PT para o grupo. Já Pivetta flerta com o DEM de Mauro Mendes e Jayme Campos e com o PSL do ex-prefeito de Sorriso Dilceu Rossato, cuja pré-candidatura a governador está se esvaziando.