Bem Vindo ao site Poconé On Line o Portal Internacional do Pantanal. email luisfernando@poconeonline.com
Poconé - MT, 19 de Maio de 2019, 13h28   |   Tempo: Mín. ºC | Máx. ºC
Facebook WhatsApp
(65) 9998-1070

MINERADORA CONVIDA VEREADOR PARA ACOMPANHAR TRABALHOS - Walney vistoria início do aterro de cava garimpeira

Ação de recuperação pretende minimizar conflitos

1450 visualizações
Por: Rildian Lopez
Fonte: 4º Poder
Previsão é que intervenções de tapa durem cerca de 18 meses. As ações é uma das orientações da SEMA para sequência das operações da empresa, que continuará após esse período explorar uma cava mais distante da zona urbana.
Sr João Administrador do Garimpo; Vereador Walney; Alain Proprietário da Mineradora Tereza Botas
Sr João Administrador do Garimpo; Vereador Walney; Alain Proprietário da Mineradora Tereza Botas
Foto de Juscelino

As obras de preparação da Cava da Viúva, da Mineradora Tereza Botas, foram iniciadas. A estrutura fica na zona urbana de Poconé, município pantaneiro, distante 100 quilômetros da capital de Mato Grosso, Cuiabá.

Há mais de três anos o local é motivo de conflitos entre moradores vizinhos e a mineradora.

A previsão é que as operações de aterramento de 50% da cava durem até 12 meses (podendo ser menos), empregando o mesmo efetivo de mão de obra existente na empresa e tantos outros serviços, direta ou indiretamente. A outra margem da cava garimpeira continuará sendo explorada nesse período, porém sem avanços laterais, somente em profundidade, sendo minimizados os debates sociais.

Segundo informações da Mineradora a autorização para operação de outra cava garimpeira distante da cidade já foi feita e a transição da operação mineral poderá ocorrer nos próximos 10 meses, com isso o fechamento da atual cava será finalizado com deposito de rejeito, por mais seis a oito meses, totalizando 18 meses de atividades (previsão).

A cava atual, uma enorme cratera ao lado da Avenida Aníbal de Toledo e Rua Antonio João, praticamente no centro da cidade, é uma estrutura resultante do processo de lavra. A próxima cava a ser explorada conhecida como “Buraco do Beijo”, local que já foi explorado em décadas passadas, porém distante da zona urbana.

A VISITA:

Na quinta-feira o proprietário a Mineradora Tereza Botas Alain Stephane Riviere, esteve na Câmara dos Vereadores para falar com o Vereador Walney Rosa. O vereador é a autoridade local que tenta defender moradores e comunidades que são vitimas de problemas conseqüentes de exploração mineral.

Na sexta-feira pela manhã Walney foi vistoriar de perto os trabalhos do aterramento da cava.

“Vejo que demos um primeiro passo. Fico esperançoso ao ver o Garimpo do FRANCES iniciar o aterro do buraco e a minimização da cava garimpeira. Fui convidado a vistoriar e confirmei pessoalmente. Concluo que o Garimpo não pode e não deve parar em Poconé, afinal é um gerador de emprego, porém deve respeitar os moradores vizinhos”, declarou Walney.

“O convite ao vereador Walney ocorreu porque ele está sendo a ponte do dialogo com a comunidade. O Garimpo gera emprego, gera renda. Tudo o que é orientado pela SEMA ou ANM nós cumprimos.  Sabemos do impacto, sabemos do desconforto, não nos omitimos de nossas responsabilidades, estamos trabalhando autorizados e documentados; estamos sempre abertos ao diálogo”, afirmou Alain Stephane Riviere.

CONFLITOS:

“Eu dialoguei longamente com a administração da mineradora Tereza Botas e o proprietário Alain. Temos que resolver os conflitos entre a mineração e os moradores vizinhos para não ter confronto. Percebo que até aqui houve certa omissão das autoridades responsáveis em ouvir a população. Muita coisa ainda deve ser feita, mas reconheço que o aterro vai trazer esperança aos moradores. E sou muito franco ao falar: ‘todos os moradores que acreditam que tiveram prejuízos com esta ou qualquer atividade de mineração deve sim procurar a justiça, porque onde duas partes não se entendem somente a justiça para resolver’, porém se pudermos resolver esses conflitos com consciência ambiental e primeiramente social é de grande valia”, finaliza Walney.

O vereador vai continuar tentando trazer para o diálogo a Mineração e os moradores vizinhos. Está agendada uma reunião para as próximas semanas com alguns dos moradores.

VISITA DOS VEREADORES:

Um convite da Mineradora agenda uma visita de todos os vereadores até o local do aterramento da cava, na próxima terça-feira.

ABRIR AS PORTAS PARA POPULAÇÃO:

Apesar de ser uma indústria mineral Walney orienta a administração da Mineradora para abrir as portas do local para visita de escolas para conhecer o local, bem como professores ligados a área de geografia, biologia, etc. Walney orientou também que o próprio Alain receba os moradores da região para uma conversa franca, diálogo entre vizinhos.